segunda-feira, 23 de junho de 2014

Pesquisadora afirma ter encontrado a tumba de Vlad, príncipe que inspirou Bram Stoker em seu personagem Drácula


Vídeo referente a este artigo
Erika Stella, estudante de doutorado da Universidade de Tallinn, afirma ter descoberto a mítica tumba do Conde Drácula, na igreja de Santa Maria la Nova de Nápoles, na Itália. Lá, ela teria encontrado os restos de Vlad Tepes, mais conhecido como Vlad III, o Empalador, enterrados embaixo de uma lápide do século XV. Príncipe de Valáquia, atual território do sul da Romênia, entre 1456 e 1462, esse personagem ficou mundialmente famoso pela crueldade com que combateu o expansionismo otomano e pelas punições severas que aplicava a inimigos e traidores
Após sua morte em 1476, os rumores sobre o paradeiro de seus restos se multiplicaram entre aqueles que afirmavam que o conde havia morrido em batalha, capturado por seus inimigos, e os que, contrariamente, defendiam que ele foi resgatado por sua filha para passar os últimos dias de sua vida na região de Nápoles.
Rodeado de mistério, Vlad III é a figura na qual o escritor Bram Stoker (1847-1912) se baseou para criar o personagem aterrorizante de Drácula, protagonista de seu romance homônimo. Por sete anos, o escritor irlandês estudou os vários mitos sobre vampiros que nasceram na Europa Oriental, e se interessou, especialmente, pela história de Vlad Tepes.
De acordo com alguns “historiadores” citados pelo The Daily Mail, a imagem acima refere-se a tumba de Vlad III, Príncipe da Valáquia conhecido como Vlad, o Empalador ou, mais comumente, como Drácula. Sim, aquele Drácula. A tumba fica em Santa Maria la Nova, em Nápoles, na Itália.
As esculturas sob o relevo demonstram um simbolismo evidente. Os dragões fazem referência a Drácula e as duas esfinges opostas representam a cidade de Tebas, também conhecida como Tepes. O nome do conde Drácula está escrito nestes símbolos”, apontaram os especialistas. Eles desejam abrir a tumba, mas esperam por ordens oficiais para realizar o feito.
Teorias posteriores especularam que o corpo do cruel Empalador, que serviu como inspiração para que Bram Stoker criasse seu livro sobre vampiros, foi enterrado perto de Bucareste, na ilha do mosteiro de Snagov. Mas grande parte dos estudiosos acha que o corpo está em Coma no mosteiro construído pelo próprio Vlad III que foi demolido cerca de um século depois da morte do príncipe.

A conexão com a Itália
Os pesquisadores alegam que as coisas não foram bem assim. Eles acreditam que Drácula foi feito prisioneiro. Sua filha Maria — que os pesquisadores dizem ter sido enviada para Nápoles antes que os conflitos começassem e que teria se casado com um nobre napolitano — pagou um resgate e Drácula teria vivido seus últimos dias na Itália (bebendo o sangue de virgens italianas). Quando ele morreu, afirmam os pesquisadores, foi enterrado nessa igreja, que mais tarde também foi o local de descanso de sua filha e seu genro.
Se é verdade não sabemos, resta aguardar as apurações dos fatos. Mas que isso daria um belíssimo roteiro para mais um filme ou série do Conde Dracula, com certeza daria.